[ Fechar ]

20:10 Quarta-feira, 17 de Janeiro de 2018


Notícias - Arapongas


Santa Casa de Arapongas pode fechar as portas após quase 60 anos

image-1

A Santa Casa de Arapongas esta passando por um momento muito difícil e preocupante, a falta de recursos financeiros para seu andamento.

Não é segredo para ninguém que as Santa Casas do país estão com dificuldades financeiras, como mostrou reportagem exibida no último mês pelo telejornal Bom dia Brasil da rede Globo, mas a de Arapongas vinha na contra mão, aumentando a sua qualidade de serviços e em dia com seus fornecedores e os plantões médicos, reduzindo sua taxa de mortalidade em números bem expressivos.

Ciente da atual situação, o Portal Dia a Dia Arapongas conversou nesta semana com o provedor do hospital que atende os araponguenses há quase 60 anos, Leonardo Daleffe, que assumiu em Julho, já com os problemas atuais, o qual explicou um pouco do que vem acontecendo.

Dia a Dia: Por que a Santa Casa chegou nessa situação de alerta?

Daleffe: A nossa Santa Casa vinha em dia com seus compromissos até o final do ano de 2016, com o corte de um convenio do Estado, por mudanças na lei que ainda não entendemos, de um valor de mais de R$ 80.000,00 por mês e com a redução do valor do convenio do município de Arapongas é que começamos a atrasar os pagamentos médicos e alguns fornecedores, pois ambos dos valores vinham desses convênios para ajudar nos custeios. Não basta apenas virem pagamentos vinculados aos serviços se temos fornecedores, energia, folha salarial, etc. Se compararmos os valores da falta de repasse e o valor da divida atual os dois batem quase que igualmente.

Dia a Dia: Qual a atitude que a administração atual está tomando para tentar reverter essa situação?

Daleffe: Hoje a prefeitura estuda um novo valor de repasse que é de suma importância o aumento deles, fora isso estamos também empenhados em outros recursos, mas tudo é muito burocrático, moroso e difícil, pois dependemos muito da ajuda dos governos já que atendemos mais de 60% SUS, onde a tabela esta defasada há mais de duas décadas. Também não atendemos alta complexidade, onde entraria uma maior quantidade de dinheiro. Já procuramos a Câmara do município e nos reunimos com quase todos os vereadores e todos se prontificaram em ajudar. Falamos também com o prefeito Sérgio Onofre, que também hoje não está medindo esforços para salvar o hospital e esta ciente do problema. Sabemos que nem a prefeitura e nem o governo tem a obrigação em repassar valores, mas entendo que os mesmos precisam saber da ajuda e importância que a Santa Casa é para o município e principalmente para a população de Arapongas e região.

Dia a Dia: E sobre o Estado, o que estão fazendo para ajudar?

Daleffe: Já conversei com diversos Deputados, mas sem sucesso, o que vem ajudando é estarmos bem próximos da regional de saúde, que vem nos ajudando muito, junto dela estamos pleiteando outros repasses vinculados á produção (AIHs), mas é como eu disse antes, hoje precisamos de valores de custeio, pois a produção vem vinculada já com os custos dos atendimentos não podendo ser usados para outros fins, como salários por exemplo.

Dia a Dia: Com essa situação existe o risco de uma paralisação geral?

Daleffe: Claro que corremos esse risco, mas vejo que os médicos, que lá estão, sabem dos problemas que enfrentamos e a grande maioria está lutando junto conosco e são eles que agora passam a ser pacientes.

Dia a Dia: Sobre a construção do novo pronto socorro, tem previsão de iniciar?

DALEFFE: Existe um grupo que vem ajudando a Santa Casa com arrecadações, que é junto com o Padre Odair. Já existe um valor para o inicio das obras e algumas emendas parlamentares impositivas de alguns deputados, um projeto de anos e que irá somar muito para a população, mas confesso que nosso foco esta todo voltado aos problemas atuais que quando sanados iniciaremos as construções de imediato.

Dia a Dia: Como a comunidade pode ajudar?

Daleffe: A comunidade sabe que a saúde não tem preço, mas tem que saber também que ela tem custo e custa alto, penso que se ajudarem a cobrar as pessoas que elegeram já é um bom começo, não que eles estejam de braços cruzados. Os cortes de repasses passam de R$ 1.700.000,00 no ano, isso mesmo, UM MILHÃO E SETECENTOS MIL DE REAIS, me diga qual hospital sem fins lucrativos não precisa desses valores? Assim fica difícil prestar serviços de qualidade, como a comunidade merece. Assim, a ajuda é bem vinda pois amanhã pode ser qualquer um de nós que precisará ser atendido pela Santa Casa.



11 Dezembro, 2017 - as 16:35

Por : Redação Dia a Dia Arapongas


Comentário(s)



Notícias relacionadas



[ Fechar ]